Arte de educar!

Arte de educar!

Quem sou eu

Minha foto
Telêmaco Borba, Paraná, Brazil
Sou professor da rede pública a 3 ano, mas trabalhei 4 anos com Educação de Jovens e Adultos .Atualmente trabalho com uma turma de terceiro ano e sou professor na rede estadual com a disciplina de História . "Educação não transforma o mundo. Educação muda pessoas. Pessoas transformam o mundo".( Paulo Freire)

22 de março de 2009

Paper .

A ESCOLA VERSUS HÁBITOS ALIMENTARES

José Fabrício de Oliveira
Prof. Ivonete dos Santos Souza
Centro Universitário Leonardo da Vinci – UNIASSELVI
Licenciatura em História (SOC 31) Nutrição, Higiene e Saúde.
11/03/2009

RESUMO

A alimentação desempenha um papel primordial durante todo o ciclo de vida dos indivíduos. Entre as distintas fases da vida pode-se destacar como exemplo, a idade escolar, que se caracteriza por um período em que a criança apresenta um metabolismo muito mais intenso quando comparado ao do adulto. Tendo por foco de análise as preferências alimentares dos mais jovens, que nem sempre recaem sobre os alimentos considerados mais saudáveis, e o sedentarismo, estudos epidemiológicos têm registrado um crescimento da prevalência de obesidade entre esses indivíduos. Tal situação pode gerar, a médio prazo, o aumento da probabilidade de riscos de doenças cardiovasculares, hipertensão e outros transtornos de saúde.Atualmente a ferramenta mais segura e eficiente para combater distúrbios nutricionais, como a obesidade, é o investimento em medidas de saúde que dependem, por sua vez, dos interesses dos gestores de políticas públicas. Essas medidas incluem mudanças nas propagandas de alimentos e guloseimas destinadas ao público infantil, modificações no teor de gordura e açúcar dos alimentos, estímulo às famílias à prática de atividades físicas e, principalmente, a utilização da escola como local no qual as questões nutricionais possam ser debatidas e transmitidas às crianças.

Palavras-chave: Alimentos; Escola; Criança.


1 INTRODUÇÃO

A escola é um dos primeiros contatos que a criança tem com o meio externo, ou seja, meio não familiar. Deve-se a isto, a sua importância no desenvolvimento de características e interesses adversos a da família.

A alimentação infantil é uma preocupação que cresce cada vez mais, uma vez que todas as crianças possuem acesso a televisão e que esta apresenta publicidades em sua maioria sobre alimentos.

Estes em grande parte dizem respeito a produtos alimentícios de pouco teor alimentar. Todavia, estes possuem altas taxas de açúcares, sais e gorduras que consumidas em excesso acarretam transtornos a saúde aos infantis em desenvolvimento.


2 BONS HÁBITOS ALIMENTARES X ESCOLA

A escola desempenha importante papel na formação dos hábitos alimentares, visto que é nesse ambiente que substancial proporção de crianças e adolescentes permanecem por expressivo período de tempo diário. Contudo, os programas de educação nutricional devem ir além das atividades em sala de aula.

É fundamental que a escola propicie condições de concretização dos conceitos relativos ao tema, apresentados aos alunos. Nesse contexto, pode-se perceber a importância que os serviços de alimentação disponíveis no ambiente escolar deveriam assumir principalmente no que se refere ao fornecimento/comercialização de alimentos e refeições adequados do ponto de vista nutricional, sanitário e, além desses aspectos, buscando o atendimento às preferências dos alunos. O tem como objetivo descrever alguns aspectos dos serviços de alimentação no âmbito escolar, a saber, o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) e as cantinas escolares, e analisar a coexistência desses serviços e sua influência no comportamento alimentar dos alunos.

Com o aumento de pessoas com diabetes, hipertensão e obesidade na adolescência e na fase adulta surgiram uma preocupação com os hábitos alimentares desde a infância e após alguns estudos constatou-se que maus hábitos iniciam não só no meio familiar como também no meio escolar, uma vez que o meio influência o indivíduo.

E principalmente na fase escolar é que a criança sofre pressões da mídia e dos próprios colegas para alimentar-se de maneira incorreta. Isso é, fortemente evidenciado ao analisarmos uma lanchonete percebemos que ela muitas vezes apresenta itens que estimulam a atenção e o interesse da criança em consumir alimentos (ricos em gorduras, sais e doces prejudiciais a saúde)ou nos refrigerantes com suas embalagens atraentes.
Assim conforme Passos et al .
Nossos hábitos sociais contribuem para facilitar o consumo excessivo desse tipo de alimento. Nas visitas, passeios, reuniões, idas ao cinema ou ao shopping, sempre há o consumo de alimentos, e as novas formas de entretenimento como a televisão, computadores e videogames favorecem o sedentarismo. Além disso, as embalagens dos produtos têm aumentado consideravelmente de tamanho. "Antigamente, no cinema, cada pessoa comia um saquinho de pipoca. Hoje, a pipoca é vendida em baldes enormes e individuais e um copo de refrigerante [...]

Para evitar esse consumo e ciente de que preferência é diferente que hábito, uma vez que hábito é um costume e ter preferência por algo não significa que o alimento será consumido com freqüência.

Hoje, existe uma grande preocupação com a beleza, a saúde e o envelhecimento. Entretanto, um dos grandes problemas de saúde pública que países desenvolvidos (especialmente os Estados Unidos) é a obesidade infantil. Para a resolução desse problema, sabe-se que a introdução de bons hábitos alimentares acarretarão num melhor resultado nesses três aspectos.


3- A ESCOLA

O ambiente escolar é um importante local para a formação de bons hábitos alimentares e para a educação nutricional. Nesse contexto, destacam-se os serviços de alimentação presentes nas escolas: o Programa de Alimentação Escolar e as cantinas.

Por meio dos estudos apresentados, pode-se completar que alguns aspectos do programa de alimentação escolar precisam ser constantemente reavaliados, como as preparações dos cardápios, horários e estrutura de distribuição da merenda escolar, entre outros, de forma a atender as preferências dos escolares e elevar a adesão ao referido programa.

Por outro lado, as cantinas escolares comercializam alimentos com elevada densidade energética, cujo consumo freqüente pelos alunos pode contribuir para a prevalência de excesso de peso entre os indivíduos. Ainda, a presença das cantinas nas escolas interfere na adesão ao programa de merenda escolar e pode representar uma forte limitação à educação nutricional.

A elaboração de portarias, por gestores dos estados e municípios, que regulamentam o funcionamento das cantinas, pode ser considerada um importante passo em direção à transformação da escola em um ambiente facilitador para escolhas alimentares adequadas. Ressalta-se, no entanto, a importância de programas de educação nutricional que envolvam alunos e familiares para consolidação de hábitos alimentares saudáveis.


3 CONCLUSÃO.

As crianças são vulneráveis as publicidades e as pressões no meio ao qual estão inseridas para comerem alimentos prejudiciais a saúde.

Portanto, para evitar uma epidemia de doenças por má alimentação como diabetes, hipertensão, entre outras. Cabe a sociedade, criar maneiras de evitar isso. Essas podem ser projetos como esses que estão sendo implantados na escola a fim de tornar os alimentos nutritivos mais interessantes ao paladar.

Além disso, a escola é um meio que contribui para formação do educandoe disseminação de idéias para a sociedade, assim sendo, ela deve conscientizar e ensinar seus alunos a se alimentarem de forma correta.


4 REFERÊNCIAS

PASSOS, E; MAGALHÃES, N. P; GONÇALVES, N. M. E. F; MOURA, V. H. V; SILVA, E. B. da. Alimentação saudável nas escolas. Brasília a. 43 n. 170 abr/jun 2006

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget